Facebook
Facebook
Pinterest
SOCIALICON

Meu primeiro encontro com o Oceano Índico aconteceu no litoral sul-africano, co direito a gastronomia de primeira, aventuras e uma imersão cultural.

Desembarquei em Durban, para participar da maior feira de turismo de todo o continente, a Indaba.

A cidade de Durban também foi casa de Fernando Pessoa, em 1895, e recebeu a Copa do Mundo de 2010, com o moderníssimo Moses Mabhida Stadium, hoje, visita imperdível.

Trata-se de um balneário, desses com hotéis lindos, vista azulzinha para o mar, inclusive do estádio, comida deliciosa, praia durante o dia e jazz à noite. Quem não ama?

Para ampliar seu roteiro na África do Sul, vou deixar aqui algumas dicas da cidade, além de explicar a Indaba, imperdível para quem gosta de viagens e quer saber os players de todo o continente africano.

Cheguei muito ansiosa e curiosa. Saí cheia de planos e com uma visão ampla do que é o turismo em toda a África.

Em 2018, a feira aconteceu em maio e trouxe mais de 7 mil pessoas do mundo todo, um aumento de 4% em relação ao ano anterior. Mais de 1.100 expositores de toda o continente africano estiveram presentes.

Moses Mabhida Stadium

Moses Mabhida Stadium, em Durban, litoral da África do Sul, onde aconteceu a Copa de 2010 (foto Andrea Miramontes)

O estádio lindíssimo em Durban foi construído especialmente para a Copa do Mundo de 2010. Seu nome, Moses Mabhida, foi dado em homenagem a um dos líderes na  luta contra o apartheid.

Depois dos jogos, ao contrário de estádios brasileiros que foram abandonados, o lugar se reinventou. Hoje é um dos símbolos da cidade, cheio de atrações inclusive para quem ama adrenalina.

Aventureiros certamente não vão perder o salto para balançar em queda livre, o mais alto do mundo, de acordo com o livro do Guiness.

A aventura chama-se Big Swing e acontece dentro do estádio. O visitante sobe em uma plataforma a mais de 100 m acima do campo, e, ao jogar-se preso a um elástico, balança em um arco de 220 m, até parar no centro do estádio para ser içado.

O aventureiro atinge 120 km/h. Passe a foto e veja o vídeo no Instagram Lado B Viagem:

Confesso que não me arrisquei. Mas experimentei o Sky Car, que me recompensou com uma vista maravilhosa do Índico.

Trata-se de um funicular que sobe a 106 metros em um trilho, ao topo do estádio. De cima, vê-se toda a costa litorânea de Durban e dá para entender porque o balneário é um dos preferidos dos sul-africanos.

É possível subir para a mesma plataforma que leva o sky car por 500 degraus, com o passeio chamado Adventure Walk. São 20 minutos de subida. No site você vê o preço de cada experiência dessas.

Quem ama futebol e arquitetura vai também de tours históricos pelo estádio, que podem ser  feitos a pé, com guia, ou a bordo de segway: 

Indaba

Prepare-se. Em 2019, a maior feira de turismo de todo continente africano acontece de 7 a 9 de maio em Durban.

A Indaba é uma oportunidade para quem ama turismo e quer conhecer o profissionalismo com que os africanos, em geral, lidam com o assunto. E não estão para brincadeira.

Vai muito além dos safáris, também todos presentes. Você vai ver empresas cruzeiros em Botswana, para navegar em rios com hipopótamos em seu ambiente natural.

Outros players mostram de acampamentos e aventuras na Namíbia, Quênia e em muitos outros países africanos.

Durban ICC, onde aconteceu a Indaba 2018, na África do Sul (foto divulgação)

São passeios e lodges em meio aos animais selvagens. Muitos hotéis daqueles dos sonhos, como este em que estive na África do Sul, em que os animais estavam soltos de frente para minha piscina.

Foram representantes de mais de 80 países do continente. “Parceiros valiosos que ajudam a mostrar o que a África tem de melhor para o mundo”, de acordo com Sisa Ntshona, CEO da South African Tourism, cujo estande trouxe experiência 3D pela África do Sul e homenagem a Mandela.

Sisa Ntshona, CEO da South African Tourism (foto Divulgação)

“O objetivo da Indaba é criar uma plataforma que permita ao mundo fazer negócios com a África e os negócios estão acontecendo”.

O turismo é um dos pilares da economia sul-africana. De acordo com Sisa Ntshona, mais de um milhão de empregos estão no setor.

Estande da South African Tourism na Indaba tinha viagem pelas belezas do país em 3D e homenagem a Mandela (Foto Andrea Miramontes)

Cada vez mais, o CEO aposta no investimento do tema turismo sustentável, que ajuda a preservar os recursos naturais do país. Na feira, sustentabilidade, que o Lado B Viagem ama, foi um dos painéis de maior público.

Mais painéis de 2018 abordaram o legado de Mandela, neste ano de seu centenário, além de outros temas.

Onde comer

Na África do Sul come-se muito bem. E como a moeda é favorável, também come-se barato. Isso sem contar a oportunidade de degustar delícias durante a tarde, no tradicional High Tea sul-africano.

Quem curte uma cervejinha à beira-mar para uma comida despretensiosa pode almoçar no California Dreams, de cara para o Índico. Deguste saladinhas (no meu caso), hambúrgueres, pastas, frutos do mar e drinks.

Já um almoço mais sofisticado está no Havana Grill,  cuja especialidade é frutos do mar. Vegetarianos, com eu, vão se deliciar com o nhoque gratinado. Muito bem-servido.

Havana Grill fica no no Suncoast Casino, no Hotels & Entertainment, com vista de 180 graus para o Umhlanga Rocks. Do nome, vem o cardápio de charutos são importados de Cuba.

Para um jantar descolado, aposte no Chef’s Table. Aliás moderninho ou não, aposte nesse lugar, pois aqui, o investimento é em uma experiência gastronômica.

Ambiente descolado do Chef’s Table, em Durban, na África do Sul (foto Andrea Miramontes)

Pratos milimetricamente montados pela chef premiada Kayla-Ann Osborn trazem ingredientes frescos, sazonais e criativos.

No meio do restaurante, está a cozinha, e você pode acompanhar o trabalho da mesa ou de um balcão. Uma adega traz muito mais do que os deliciosos vinhos sul-africanos. Rótulos de várias partes do mundo ficam à escolha do cliente.

Mas, se eu fosse você, iria de qualquer rótulo que identificasse Pinotage, uva típica sul-africana. Não é difícil se apaixonar pelos tintos sul-africanos. Pinotage nasceu do cruzamento de outras uvas conhecidas, Pinot Noir e Hermitage (apelido da francesa Cinsault.

Outro programão para um jantar especial em Durban é no 9th Av Bistro. Como vários prêmios no currículo, entre eles a melhor escolha sul-africana dos leitores da Conde Nast Gourmet Magazine, o bistrozinho tem comidas pra lá de criativas.

Poucas opções para vegetarianos, mas deliciosas, como o risoto trufado de alcachofra e cogumelos. Foi lá que provei uma sobremesa de sorvete de gin. Bem boa:

A cada 9 meses, o bistrô tem jantares de menu fixo acompanhados por importantes vinícolas da África do Sul e do exterior.

Hotéis como os maravilhosos Hilton, Oyster Box e Berveley Hills também têm bares e restaurantes com  menus bem interessantes, além de oferecerem high tea.

Na viagem, o blog esteve protegido com o seguro da GTA, como conto neste post, com dicas da moeda, passeios e sua chegada a Joanesburgo, porta de entrada do brasileiro na África do Sul.

O blog viajou a convite da South African Tourism e Latam Airlines.

High tea na África do Sul! Veja hotéis para se hospedar e curtir a tradição em Durban