Twitter
Visit Us
Follow Me
Pinterest

Inaugurado  em setembro na Escócia, o museu V&A Dundee já entrou para a lista de cartões-postais imperdíveis de viajantes no mundo todo.

O museu de arquitetura dramática às margens do rio Tay é daqueles projetos que você fica pasmo com o desenho, procura o melhor ângulo para fotografar e sai de lá apaixonado, transpirando idéias e arte.

Trata-se do primeiro Victoria and Albert Museum fora de Londres. Em um mês, o museu já recebeu 100 mil pessoas.

O novo marco da arquitetônico foi projetado pelo japonês Kengo Kuma, arquiteto responsável pelo estádio Olímpico de Tokyo, para Olimpíadas no Japão em 2020.

V&ADundee foi projetado por Kengo Kuma, arquiteto do estádio olímpico de Tokyo para Olimpíadas de 2020 (Foto: V&A/ Hufton+Crow)

O museu em Dundee é irmão do primeiro V&A, de Londres, de 1852, que leva o nome da rainha Victoria. Ela vestiu a coroa em 1837 e se casou com Albert, o principal entusiasta do museu.

Agora, o V&A Dundee  reúne arte e design escocês em um só lugar com entrada gratuita. De acordo com Kengo Kuma, “uma nova sala de estar para a cidade”.

“A living room for the City” foi a frase usada pelo arquiteto japonês Kengo Kuma na inauguração, em setembro.

Perguntado sobre a vedete do projeto, ele respondeu que a pequena caverna de ligação entre o museu, o rio e a cidade foi seu traço preferido.

Realmente, o lugar pode render algumas das melhores fotos.

Centro do museu forma um vão que conecta a cidade ao rio. Este é o lugar preferido do arquiteto japonês (Foto: V&A/ Hufton+Crow)

O museu demorou três anos para ser construído e custou 80 milhões de libras.

Kuma, professor da Universidade de Tokyo e arquiteto que coleciona prêmios pelo mundo, desenhou o V&A para reconectar a cidade à natureza. O rio à Dundee.

“Inspirei-me em penhascos do nordeste da Escócia. É como se a terra e a água tivessem uma longa conversa e, finalmente, criassem essa forma impressionante”, diz.

Museu está estrategicamente localizado à beira do rio Tay, em Dundee, na Escócia (Foto: V&A/ Hufton+Crow)

V&A Dundee (Foto: V&A/ Hufton+Crow)

Dentro do V&A Dundee

Mais de 300 exposições de design escocês estão no centro do museu, no Socottish Design Galleries.

De cara, ao subir as escadas para as galerias, uma obra gigante da artista Ciara Phillips é a primeira experiência visual dos visitantes.  A artista é vendedora de um Turner Prize – premiação anual a britânicos no Tate Modern, em Londres.

Entre os objetos de design garimpados pela curadora do museu, Joanna Norman, em toda Escócia, o lugar exibe 200 peças nas galerias.

As peças ímpares no design vão de jóias a vestidos fashion, como este desenhado pelo escocês Christopher Kane, de 2015.

Galerias têm mais de 300 objetos garimpados pela curadoria do museu ((Foto: V&A/ Hufton+Crow)

Painel da Ciara Phillips é a primeira experiência visual dos visitantes ao subir as escadarias (foto: Andrea Miramontes/Lado B Viagem)

OAK Room

No centro destas galerias está a OAK Room, a mais emblemática do museu. Vitrais coloridos iluminam a sala gigante de madeira projetada para ser um tradicional tea room escocês.

Trata-se da restauração histórica de um projeto de interiores feito pelo famoso arquiteto escocês Charles Rennie Mackintosh  no começo do século 20.

É a maior obra de design de interiores feita por Mackintosh, artista que faria 150 anos em 2018.

Com apoio do governo, a OAK Room foi resgatada da destruição em 1971 e remontada no local como obra de arte permanente.

Oak Room, uma das obras-primas de Mackintosh, pode ser visitada no V&A Dundee (Foto: V&A/ Hufton+Crow)

“Restaurar um (projeto de) Charles Rennie Mackintosh escondido por quase 50 anos foi uma das partes mais empolgantes da criação da V&A Dundee, diz Philip Long, diretor do museu.

A sala de 13,5 metros de altura e pé-direito duplo foi projetada pelo arquiteto e designer escocês em 1907.

“O trabalho de Mackintosh me ensinou que a transparência pode ser atingida na arquitetura, usando materiais naturais. Na OAK Room, as pessoas percebem o respeito dele pela natureza, e espero que conectem isso com o design do V&A Dundee”, avalia Kuma.

Detalhe do design de Mackintosh na Oak Room, dentro do V&A Dundee (Foto: V&A/ Hufton+Crow)

O museu tem café na parte térrea, onde também está a lojinha, além de um restaurante com vista para o Rio Tay na parte superior.

Por que Dundee?

Dundee, a quarta maior cidade da Escócia, foi declarada como uma das cidades Criativas do Design pela Unesco em 2014. São 69 em todo o mundo, incluindo a nossa Curitiba, além de Berlim, Bilbao e outras.

No século 19, Dundee foi um centro têxtil e industrial da Escócia, fábricas que hoje abrigam centros de arte descolados, escolas, empresas de mídia digital e até hotéis, como o Hotel Índigo, uma dessas antigas indústrias e se transformou com um projeto de design supermoderno.

A cidade também foi um porto importante importante do país, famoso pela construção de navios imensos. O museu está estrategicamente ao lado do último navio de madeira feito em Dundee, o RRS Discovery, cuja primeira missão foi em 1901 à Antártida.

Museu está ao lado do último navio de madeira feito em Dundee, o RRS Discovery, de 1901(foto: Andrea Miramontes/Lado B Viagem)

Com estratégia, incentivo à educação, investimento em universidades, em escolas de arte e criatividade, hoje se destaca como um dos polos importantes de mídia digital.

O V&A encontrou sua casa perfeita na cidade, que transpira criatividade, idéias, centros gratuitos para desenvolvimento de artes plásticas e digitais.

Vou fazer um texto só sobre Dundee com um roteiro descolado na Escócia. A viagem ao país do Reino Unido foi feita com seguro-viagem GTA  em plano que não precisa ser com as regras do tratado de Schengen, como para alguns outros países europeus.

A cidade, que busca ser a mais ensolarada da Escócia, tem uma brincadeira para os visitantes: usar os óculos amarelos, símbolo do lugar com a hashtag #sunnyDundee.

Na verdade choveu neste dia (rs) mas a cidade merece a brincadeirinha simpática.

A inauguração do museu faz parte de um projeto maior de revitalização das margens do Rio Tay, que tem um investimento do governo escocês de 1 bilhão de libras.

De acordo com Tristram Hunt, diretor do V&A, trata-se de um marco cultural para a cidade.

“É também um momento marcante na história da V & A – estamos extremamente orgulhosos de compartilhar essa parceria excepcional, a primeira desse tipo no Reino Unido, e ajudar a estabelecer um novo centro internacional de design que celebra a herança cultural da Escócia.”

Dundee fica a 1 hora de trem de Edimburgo ou a 6h30 de Londres.  Saindo da estação de trem em Dundee, literalmente ao atravessar a rua, você topa com o museu.

O blog viajou a convite do Visit Britain e Visit Scotland

 

 

Quem foi Charles Rennie Mackintosh? Arquiteto, designer e artista escocês faria 150 anos