Facebook
Facebook
Pinterest
SOCIALICON

Com crítica ao aquecimento global e derretimento das geleiras, o artista brasileiro Eduardo Kobra inaugurou o primeiro painel de street art em Mônaco na segunda (25).

Até o Príncipe Albert II  interagiu na obra com ele no dia da inauguração.

O tema do painel, chamado Global Warming, está alinhado às políticas de sustentabilidade que o Principado desenvolve. Uma delas, inclusive, no Brasil.

Príncipe Albert II de Mônaco e Eduardo Kobra inauguraram a obra no último dia 25 (Direction de la Communication/Manuel Vitali)

“Todos os lugares por onde passo procuro fazer uma pesquisa histórica e encontrei uma conexão com Mônaco, que também foca na proteção do ambiente, animais, oceanos e florestas”.

O artista pintou em local aberto e atraiu a curiosidade de turistas e monegascos com o trabalho no Yacht Club de Mônaco, onde conversou comigo.

Sou fascinada por street art e costumo caçar as obras em roteiros pelo mundo. Por uma coincidência, Kobra estava em Mônaco no mesmo dia que eu.  Que sorte a minha.

 

Kobra desenvolve um projeto que se chama Greenpincel. “Nesse projeto, em uma série de trabalhos trato da proteção do ambiente e violência contra os animais”, explica.

A obra do artista em Mônaco segue a mesma proposta e une as políticas verdes do principado, que ultrapassa suas fronteiras, ao engajamento de Kobra.

É uma crítica ao aquecimento global, com geleiras derretendo e uma releitura de uma obra de Salvador Dali chamada Persistência da Memória”, conta o artista, sobre a inclusão dos  famosos relógios moles de Dali à sua arte.

O artista explica ainda a felicidade em fazer vanguarda no país, o segundo menor do mundo. “Essa obra abre espaço para outros artistas também mostrarem seu trabalho em Mônaco”, conta.

Como foi o trabalho de Kobra?

A produção durou uma semana, mas o projeto vem sendo desenvolvido há um ano. Agora, a tela gigante foi instalada no alto, no Fort Antoine, uma fortaleza do século 18. Ficará por meses lá em exibição.

Luciana de Montigny, presidente da associação Brasil Monaco Project, uma das principais apoiadoras do projeto, revela como foi o convite.

“Quando pedimos a Kobra que aceitasse esse desafio ele não hesitou um segundo. Ele é um homem comprometido de convicção e de coração. E assim nasceu a obra Global Warming (Aquecimento Global)”, explica.

View this post on Instagram

É hoje! E até o príncipe de Mônaco vai pintar com @kobrastreetart 🤩 . O brasileiro Eduardo Kobra inaugura hoje o primeiro grande mural de street art em Mônaco 👏🏻 tem vídeo, passe 👉🏻 e veja o @yachclubmonaco ⭐️⭐️⭐️ . nos destaques ☝🏼tem uma entrevista com ele 🙋🏻‍♀️ . Que orgulho encontrá-lo no Principado! Ele está terminando um painel inspirado em Dali e com o tema sustentabilidade 🌱, um dos focos de Mônaco #greenisthenewglam 🌱 @visitemonaco . #visiteminaco #streetart #streetartglobe @streetartglobe #beautifulmatters_ #mymontecarlo #theview #sustentabilidade #yachtclubdemonaco #yachtclub . #luxurytravel #jornalOGlobo #MinhaViagemLivre #meucliquenafolha #MeuCliqueEstadao #BBCtravel #LoveTheWorld #luxurylifestylemagazine #bestvacations #IamaTraveler @beautifulmatters #beautifulmatters

A post shared by Andrea Miramontes 🇧🇷| Travel (@ladobviagem) on

O artista também cedeu oito cópias de uma versão reduzida da obra, que serão colocadas à venda para angariar fundos e apoiar projetos beneficentes e ambientais da Associação Brasil Monaco Project e da Fundação Prince Albert II.

Para Gisele Abrahão, representante do Escritório de Turismo de Mônaco no Brasil, a obra ajudará a chamar a atenção do mundo para o aquecimento global.

“O país é muito engajado em causas sustentáveis e a arte de Kobra nos ajudará a chamar a atenção para isso. Queremos convidar todos os brasileiros a conhecerem a obra e embarcarem nesta jornada a favor de um mundo mais consciente”.

Eduardo Kobra inaugura painel de Street Art em Mônaco (foto Direction de la Communication /Manuel Vitali)

Kobra, que tem seu estúdio em São Paulo, é internacionalmente conhecido. A primeira obra do artista fora do Brasil foi em Lyon, na França, em 2011.

Depois, espalhou-se pelo mundo, como  Espanha, Noruega, Itália Índia Japão entre muitos outros países, incluindo muitas obras nos Estados Unidos.

Graffiti Alley, o Beco do Batman canadense, no roteiro de street art em Toronto

 

5 atitudes que levam Mônaco ao caminho de virar a capital sustentável da Europa