Twitter
Visit Us
Follow Me
Pinterest

Atletas e famosos já se renderam aos treinos sem peso, de 20 minutos com eletroestimuladores que equivalem a 1h30 em academia convencional.

Topei o desafio de dois meses para mudar o corpo na TecFit,  rede com 38 academias de eletroestimulação muscular no Brasil.

Conto abaixo sobre o que farei e como você pode fazer. Atletas como Usain Bolt e Cristiano Ronaldo utilizam a tecnologia há anos. Encara?

Os treinos são feitos com uma roupa especial formada por eletrodos, com o aparelho XBody. Uma corrente de baixa frequência movimenta 350 músculos.

Na avaliação física, esqueça o adipômetro, aquele aparelhinho horroroso que mede gorduras. A academia usa Bodygee, tecnologia suíça que escaneia o corpo todo (abaixo).

Como é o treino?

Após vestir uma roupa especial, em seguida o aluno veste o macacão com eletrodos, molhado e desinfetado.

andrea miramontes tec fit

Macacão com eletrodos para o treino com estimulação muscular (Andrea Miramontes)

A academia estabeleceu uma série de protocolos anti-covid, que detalho logo mais.

A roupa é conectada por um cabo a uma central, na qual o preparador físico comanda a intensidade da estimulação.

Os exercícios são lentos e trabalham os músculos ao mesmo tempo em que a corrente os estimula. Preparadores acompanham individualmente o aluno.

Apesar de ser lento, sem peso e com duração de apenas 20 minutos, não tem moleza. E não é para ter.

Exercícios simples, como agachamento, ganham carga quando a potência dos eletrodos aumenta. E tem que aumentar.

Treinos podem ser feitos de uma a três vezes na semana, e o valor vai depender da frequência.

Anti-Covid

Horário agendado, troca de tênis na entrada, medição de temperatura e uso obrigatório de máscara são algumas das medidas obrigatórias na academia.

São apenas dois alunos por professor, separados por uma parede. Zero contato.

Todos os macacões são desinfetados após o uso e guardados com selo que indica a limpeza.

Treinos acontecem com até dois alunos por professor, com separação anti-Covid (foto: Andrea Miramontes)

Os ambientes contam com gerador de ozônio para desinfecção. Todos os equipamentos, como bolinha, apoios e outros são desinfectados com álcool 70 na frente do aluno.

Bodygee: tchau, adipômetro!

Criada na Suíça, a técnica capta imagem 3D do corpo, ao filmar o aluno em uma plataforma giratória por um minuto.

A imagem é escaneada por um tablete, equipado com duas câmeras, sendo uma delas com infravermelho.

Após escanear, o sistema cria um avatar do seu corpo. Com ele, é avaliada a composição corporal, ou seja, o equilíbrio entre massa muscular e gordura.

bodygee

Aluno sobe no centro da plataforma Bodygee e é escaneado para avaliação física (Andrea Miramontes)

Bodygee leva vantagem sobre outros métodos de avaliação, como a medição das dobras cutâneas e a bioimpedância, justamente por ser a reprodução mais fiel do corpo.

Meu desafio

Além do treino duas vezes por semana, vou fazer uma dieta com bastante proteína vegetal e evitar tranqueiras. São dois meses.

É possível fazer um teste gratuito. Fiz uma aula antes de pegar estes dois meses, e você também pode conhecer, veja no site.

Como todos, também engordei na pandemia. Foram 6 meses completamente parada, trabalhando sentada em frente a um computador.

Resultado? Quilos de gordura a mais, perda de massa magra, fôlego zerado e roupas que já não fecham.

Estou com 23% de gordura corporal nos meus 60 kg. O correto seria que eu tivesse 13%, minha meta. Nem vou mostrar a foto do antes (agora) porque me dá desgosto.

Após dois meses, volto para contar como foi minha experiência. Mas desde hoje, meu primeiro treino, já sinto que o resultado será pra lá de positivo.

Lifestyle vegetariano e vegano, viagens pet friendly e lugares sustentáveis inspiradores:

Siga nosso Instagram!

 

Avaliação física e treino! Como se preparar para trilha patagônica de 8 horas

O que fazer em Mônaco, pequeno país, um gigante em sustentabilidade