Compartilhar:
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
Pinterest

Aos 48 anos, fiz um intercâmbio para aperfeiçoar meu inglês no Canadá. Você amaria também estudar fora do País?

Não tem idade para intercâmbio, e o estudo, definitivamente, não é coisa só de jovem, como muitos pensam.

Para te ajudar a realizar seu sonho, reuni aqui 5 passos para dar início a esse processo tão transformador.

Na Selc Language, onde estudei inglês em Vancouver – foto Andrea Miramontes @ladobviagem

1 – Onde fazer?

A escolha do país onde estudar deve considerar uma série de fatores. Em primeiro, estão o custo de vida e a receptividade de estudantes brasileiros.

O custo local impacta no dia a dia, com comida e moradia, e a receptividade, diretamente na experiência que terá no local. Escolha países que recebem bem brasileiros.

Depois, o clima e a época do ano. Neve é linda para curtir da janela com um vinho na mão. Mas viver na neve não é fácil, especialmente para brasileiros, que não estão acostumados com um frio intenso.

Temos que considerar também que, aos mais de 50 anos, já não queremos passar perrengues. Então, o clima e a estação do ano são ainda mais importantes, pois é o que você vai enfrentar todos os dias, ao levantar cedo e sair de casa para ir à escola.

Andrea Miramontes – Vancouver, Canadá – foto @ladobviagem

Em terceiro lugar, escolha uma cidade que tem passeios e lugares lindos para visitar.

Os passeios e o contato com locais fazem parte dos estudos, ajuda a desenvolver a linguagem fora da sala de aula, que é o objetivo de estudar um idioma.

2 – Como escolher agência de viagem e escola?

Na hora de escolher o intercâmbio, a primeira coisa é procurar uma agência séria, que desenhe o programa de acordo com os interesses do aluno.

No site da Belta, associação de agências de viagem sem fins lucrativos, há uma lista de agências sérias que levam o selo Belta de qualidade, e o estudante pode começar por aí.

“O papel da agência é entender a necessidade do cliente, achar a melhor opção para ele, ver o perfil do estudante e ter o cuidado par personalizar. Dentro do selo Belta estão agência que prezam pela qualidade e que acompanham o aluno até voltar pra casa”, diz Neila Chammas, diretora financeira da Belta.

Ela reforça ainda que uma boa agência pode ajudar a resolver qualquer problema que o aluno tiver fora do país.

Com uma boa agência, você consegue escolher as melhores escolas pelo mundo.

3 – Inspire-se com quem já fez

Em Vancouver, na escola Selc, onde fiz meu intercâmbio – foto Andrea Miramontes @ladobviagem

Siga contas sérias nas redes sociais, com gente que já fez o intercâmbio com a sua idade.

Aos 48 anos em 2023, estudei inglês em Vancouver, no Canadá. No Instagram @ladobviagem conto como foi, inclusive, nos destaques salvos para te ajudar a ver a experiência.

Na escola, encontrei alunos brasileiros  com mais de 60 anos também estudando inglês.

O perfil da Belta também é uma excelente fonte para saber sobre novidades de intercâmbio, bem como a das agências que você selecionar para cotar seus estudos.

4 – O curso dos sonhos

O que você quer estudar no exterior? Se for idiomas, melhor escolher um país e cidade onde a maioria fala o idioma que você foi aprender. Sua experiência fora da sala de aula faz parte do investimento.

Há cidades americanas lindas de visitar, mas onde se fala muito espanhol, e isso pode atrapalhar seu curso de inglês.

Também é possível estudar outras línguas. Se já domina o idioma e quer diversificar, pode escolher cursos de fotografia, dança, arte, gastronomia, entre muitos outros.

Em algumas escolas pelo mundo há turmas específicas para intercambistas 50+. Nelas, os assuntos em pauta na sala de aula são mais voltados a esse público.

Para quem quer a companhia dos jovens na sala, é possível fazer em países que não separam alunos por idade, mas somente por nível do idioma, como o Canadá.

O meu intercâmbio foi justamente assim, com pessoas mais jovens e mais velhas sentadas lado a lado.

Selc Language, onde estudei, foto Andrea Miramontes @ladobviagem

Claudia, Luiz e eu na cerimônia de graduação da Selc – foto Andrea Miramontes @ladobviagem

5 – Custos extras – ATENÇÃO

Passagem, hospedagem, comida e escola são os principais custos de um intercâmbio.

Mas há outros obrigatórios a se considerar, como o transporte da hospedagem à escola. Muitas vezes, sua hospedagem não é do lado da escola e você precisará pagar pelo transporte.

No meu intercâmbio em Vancouver, que é uma cidade cara, tive um custo de 500 a 600 reais por semana com transporte público, uma vez que eu pegava o metrô (chamado sky trem) e ônibus todos os dias. Como lá se paga por distância percorrida, e eu estava há uma hora da escola, o custo aumentou.

Para quem não tem passaporte e visto esse é outro custo a se pensar quando orçar seu programa. Cada país tem uma política, pesquise a do destino escolhido.

No Canadá, onde estudei, para quem vai ficar até 6 meses, não pretende trabalhar e já tem o visto americano, há a possibilidade de tirar somente o ETA  (electronic travel authorization) bem mais barato e feito pela internet.

O seguro viagem também é um item indispensável. Especialmente para nós, que passamos dos 40 ou 50 anos. Muitas vezes, a própria escola ou o país já o exige.

andrea miramontes

Andrea Miramontes, jornalista de viagens do @ladobviagem

Independentemente disso, caso aconteça algo (e as coisas acontecem!) com o seguro, aluno não vai gastar milhões para resolver um problema de saúde.

Costumo fazer o seguro com a Affinity, que foi eleito recentemente entre as 10 melhores do país e tem cobertura para bagagem extraviada, entre outros bons benefícios.

Estudei no Canadá tranquila, assegurada pela Affinity – foto Andrea Miramontes @ladobviagem

Outro detalhe de viagem indispensável é ter internet no telefone durante todo o tempo do intercâmbio. Estar conectado é uma questão de segurança, além de ser hoje a única forma de se locomover  bem no destino.

Em Vancouver, por exemplo. só consegui pegar transporte público para todo canto porque usei o serviço online local, que avisava sobre trens e ônibus que eu deveria pegar.

Para viagens 45+ siga @ladobviagem

Fiz Intercâmbio aos quase 50 anos e encontrei alunos de mais de 60

Sustentabilidade: Air Canada quer zerar emissão de gases efeito estufa até 2050